Arquivo para dezembro, 2008

Chapter 27

Posted in Uncategorized on dezembro 27, 2008 by Carlos Corrêa

27

Mr. Lennon?

Um filho da mãe como Mark Chapman, o cara que matou John Lennon, não merece atenção. E não adianta alguém vir dizer que o cara era doente da cabeça ou sei lá o que. Mas enfim, pelo menos o filme teve o cuidado de não tentar justificar a debilidade do cara, e sim de simplesmente mostrar como teria sido. Pontos para a boa caracterização de Jarde Leto (é bom que as gurias que acham o cara tudo isso vejam ele balofo aqui) e para ver que a Linsday Lohan até parece uma pessoa normal de vez em quando.

História ***
Elenco ***
Trilha **
Visual **
Trailer ***
Cult **
Gostosas ***

lindsay

Hey Lindsay, don´t make it bad

Ação *
Drama ***
Romance *
Suspense **
Comédia *

chapter

Chapter 27 (2007) ***

Anúncios

Planeta Terror

Posted in Uncategorized on dezembro 26, 2008 by Carlos Corrêa

planet

Never did like that son of a bitch. About as useless as a pecker on a pope

Posso estar errado, mas suponho que antigamente até o Ed Wood achava que aquelas porcarias que ele fazia eram bons. Ou pelo menos ao fazê-los, a intenção era essa. Saía uma coisa trash, mas com boas intenções. Hoje em dia, tem quem fique meses e meses pensando em como fazer um filme ruim. Ou melhor, um filme trash. Roberto Rodriguez é dessa turma. Planeta Terror nunca tenta ser bom, e sim engraçado, mesmo (ou talvez por isso mesmo) sendo violento para caramba. Ou dá para levar a sério um filme em que uma mulher tem a perna decepada e no lugar coloca uma metralhadora?

História **
Elenco ***
Trilha **
Visual ***
Trailer ****
Cult ****
Gostosas ****

pt

Uma perna a mais, uma a menos não deixam Rose McGowan menos gostosa…

Ação ****
Drama *
Romance ***
Suspense ***
Comédia ****

terror

Planeta Terror (2007) ***

Uma Garota Irresistível

Posted in Uncategorized on dezembro 8, 2008 by Carlos Corrêa

fg

I went to a party once, and there was a palm reader there

and when she looked at my hand, she just froze

O time é dos grandes: Kate Beckinsale, Scarlett Johansson, Elizabeth Hurley, Evangeline Lily e, claro, Sienna Miller. Qualquer uma delas tem tudo para estragar um filme. Não porque são más atrizes, mas sim porque são tão lindas e tão gostosas que fica difícil prestar atenção na história. A menos que ela seja muito interessante, e taí o Lost da Evageline Lily pra provar isso. Uma Garota Irresistível não tem uma história brilhante, é a biografia de uma socialite que virou musa de Andy Warhol, caso do Bob Dylan e, conseqüentemente, estrela. Só que colocar Sienna Miller para viver Edie Segwick talvez tenha sido um acerto que nem mesmo o diretor George Hickenlooper pensou. Ninguém hoje em dia encarna o papel de deusa-problemática tão bem quanto ela, talvez até porque a vida pessoal da moça em algumas horas não seja muito diferente. E o filme é basicamente isso: ascensão e queda da protagonista. É claro que ajuda também o fato de Guy Pearce como a bicha-louca do Andy Warhol estar bem para caramba – mais uma vez, não dá para dizer o mesmo do Bob Dylan do Hayden “Anakyn” Cristensen.
Em tempo, mais um assassinato cometido com o título original, não? Por mais irresistível que Sienna Miller seja, Factory Girl virar Uma Garota Irresistível não existe. Se Garota da Fábrica ia, e ia mesmo, ficar ruim, é hora de lembrar True Lies e Quantum of Solace. Deixa em inglês mesmo.

edie
P.s.:  Ó uma foto da verdadeira Edie Sedgwick.

E aqui uma entrevista da moça.

História ***
Elenco ****
Trilha ****
Visual ***
Trailer ***
Cult ***
Gostosas *****

sienninha

Boicote já a Andy Warhol e Bob Dylan!

Ninguém faz mal à Sienninha impunemente.

Ação *
Drama ***
Romance **
Suspense *
Comédia **

factory

Uma Garota Irresistível (2006) ***

Jogos Mortais 3

Posted in Uncategorized on dezembro 8, 2008 by Carlos Corrêa

saw2

I wanna play a game

Antes de mais nada, deixemos claro que não sou muito fã de filmes de terror-nojento, tipo Jogos Mortais e O Albergue. Sempre fui, e continuo sendo, daqueles que acham que em se tratando de terror, a sugestão assusta mais do que qualquer coisa. A partir do momento em que tu mostra demais, estraga. O Spielberg sabia das coisas quando demorou uma hora até mostrar o tubarão. Dito isso, vamos ao terceiro Jogos Mortais. Ó, não vi o segundo, então talvez tenha perdido alguma coisa, embora imagine que não muito. E mesmo não curtindo o tipo de filme, acho que as idéias, tanto no primeiro como nesse terceiro, são boas. Pelo menos são originais. No primeiro, pela proposta em si. Nesse, por levantar dois dilemas interessantes: atrelar a sobrevivência da vítima à vida do serial killer e a questão do perdão. O problema é que talvez sejam duas idéias boas demais para dividir espaço em um só filme. Talvez cada uma delas separadas rendesse um filme e assim fosse melhor explorada. Nada que estrague esse aqui, ok. Sobre medo e sustos. Jogos Mortais não é uma série que dê medo. Em alguns momentos, ela dá sustos, é bem diferente. E o clima criado aqui é muito mais de angústia e ansiedade do que medo. Como na cena em que a guria opera a cabeça do serial killer. Um close no crânio sendo aberto e o sangue jorrando na cara dela não dá medo. É nojenta. É angustiante. Mas não dá medo.

História ****
Elenco **
Trilha **
Visual ***
Trailer **
Cult **
Gostosas ***

saw3

Shawnee Smith tem seu valor. Mas não vale arriscar o pescoço, né?

Ação ***
Drama ***
Romance **
Suspense ****
Comédia *

saw

Jogos Mortais 3 (2006) ***

Pequena Miss Sunshine

Posted in Uncategorized on dezembro 7, 2008 by Carlos Corrêa

miss1

Everyone, just… pretend to be normal.

Não chega a ser um critério, talvez muito mais um “ponto fraco”. O fato é que qualquer filme que tenha um final bom ganha pontos comigo. É óbvio que vale o inverso para finais ruins. Esses dias ainda comentei aqui mesmo sobre o [Rec], que é bem interessante até a parte final, quando descamba pros clichês. Pequena Miss Sunshine não tem clichê em nenhum dos 101 minutos, tanto é que ganhou o Oscar de Roteiro Original (assim como Juno e vários outros, tá provado que esse prêmio é muito mais parâmetro de qualidade do que Melhor Filme, vide Gladiador e outras nabas). O elenco todo é bom. A guriazinha Abigail Breslin chama a atenção (chegou a ser indicada para atriz coadjuvante), mas não é só ela que brilha. Não tem ninguém mal: o velho louco do Alan Arkin, o gay suicida do Steve Carell, o pai loser do Greg Kinnear, a mão “normal” da Toni Collette e o mudinho esquisito do Paul Dano (o mesmo do Show de Vizinha). Todo mundo funciona. As bizarrices e situações inusitadas te prendem sempre e quando chega o final, não tem pra ninguém, impossível não rir bastante e se apaixonar pelo filme.

História ****
Elenco ****
Originalidade *****
Trilha ***
Visual ***
Trailer ****
Cult ****
Gostosas *

toni

Toni Collette. Nem loser, nem winner. Fechamos?

Ação *
Drama ****
Romance *
Suspense **
Comédia ****


little

Pequena Miss Sunshine (2006) ****

Harry Potter e a Ordem da Fênix

Posted in Uncategorized on dezembro 1, 2008 by Carlos Corrêa

harryw

I must not tell lies

Confesso que, sem consultar a internet, eu não lembro quantos Harry Potter já foram para o cinema (são cinco). Achei que tivesse visto todos, mas começando a ver Harry Potter e a Ordem da Fênix, me dei conta que ainda faltava esse. Ainda sou mais o Prisioneiro de Azkaban, talvez o mais sombrio de todos. Mas não deixa de ser interessante a preocupação de novo dos produtores em rechear o elenco com bons atores, mesmo que para o público-alvo não faça muita diferença ter um Gary Oldman ou um Ralph Fiennes no filme. Meu único pé atrás é que a série começou quase como uma história infantil e agora virou algo mais adolescente, mudando o foco – Harry Potter, veja só, até beija no filme, e não são poucas as letrinhas quanto à falta de liberdade, proibições dos estudantes se organizar e por aí vai. Na real, cheguei a dar uma olhada nas bilheterias para ver se com isso não haveria um público menor com o tempo, mas não. Minha tese seria furada…

História ***
Elenco ***
Originalidade ***
Trilha **
Visual ****
Trailer ***
Cult **
Gostosas *

Ação ***
Drama ***
Romance **
Suspense ***
Comédia **

harry

Harry Potter e a Ordem da Fênix (2007) ***