Arquivo de março, 2009

Mandando Bala

Posted in Uncategorized on março 28, 2009 by Carlos Corrêa

them

Eat your vegetables

# Verossimilhança aqui é para os fracos. Quer verdade, vai ver um documentário iraniano. Aqui, é bala comendo o tempo todo e é legal. Tiroteio no parto, tiroteio no parquinho, tiroteio no céu, tiroteio em meio a uma trepada, todo tipo de tiroteio do mundo. Quando nos primeiros minutos do filme, o herói corta o cordão umbilical com um tiro, pouco depois de matar um capanga enfiando uma cenoura na goela dele, Mandando Bala diz a que veio. Não é para levar a sério, é para se divertir. E na cena em que ele voa de um carro pro outro, na cena em que ele come a Monica Belucci matando um exército a volta, tu se diverte.

# Quando vai começar o primeiro tiroteio, toca Breed, do Nirvana (não foi essa que tocou no season finale da terceira temporada do Lost?). Vários pontos. Pouco depois, toda Joker & the Thief, do Wolfmother. Aí o filme já te ganhou.

# Não é de hoje, não gosto do Clive Owen. Sempre que posso, torço pra eles se foder nos filmes. Ao contrário disso, ele come a Julia Roberts e a Natalie Portman no Closer, come a Monica Belucci nesse aqui e por aí vai. O pior de tudo é admitir que ele geralmente acerta na escolha dos filmes que faz. Mas é claro que eu não vou perder a oportunidade de lembrar que ele fez aquela graaaaaaaande bosta chamada Rei Arthur.

# Alguém vai ter que inventar um adjetivo novo para explicar o quão gostosa é a Monica Belucci. E mais, ela tem a maldade.

# Talvez porque quando era pequeno eu via muito mais Tom & Jerry e Pica-Pau e mais adiante, Caverna do Dragão. Mas fora as cenouras e frases do tipo “O que é isso, velhinho?”, eu não consegui pescar tantas citações ao Pernalonga quanto ouvi falar.

# A contagem de corpos ao final do filme, segundo o IMDB, é de 106 defuntos.

shoot
Mandando Bala (2007) ****

Notas de um Escândalo

Posted in Uncategorized on março 25, 2009 by Carlos Corrêa

scandal

– The boy is 15!

– But he´s quite mature for his age!

# Cada vez mais a Cate Blanchett tem presença garantida num eventual Top 10 de “Celebridades que você mais gostaria de pegar”. Ela, a Evangeline Lily, a Scarlettinha, a Eva Mendes, a Kate Beckinsale e outras cinco que vejo na hora. Muito provavelmente ela é a “menos bonita” de todas. Hoje mesmo um colega meu disse que ela é uma feia-bonita. Bullshit. Ela é uma bonita-bonita. Mas o mais foda nela é que é absurdamente charmosa. Aí ela é top 1.

# Está mais do que certo o aluno que dá em cima ela. Se eu tivesse 15 anos e uma professora como a Cate Blanchett – e se na época não fosse um mangolão -, faria a mesma coisa. Ou ao menos tentaria. Na real, não tive nem perto de uma professora Cate Blanchett. Só a Profª Lúcia, de Inglês, acho que na 6ª e 7ª série. Nossa, ela era muito gostosa. Ou eu que era muito adolescente, sei lá. A minha professora da 3ª série também era beeeeeeeeem bonitinha. Até encontrei ela anos depois numa festa no Jekyll. Sozinha. Digo, solteira. E confesso que por uns 5 minutos cogitei. Mas eu ia terminar com a noite dela. Imagina chegar eu lá com 20 e não sei quantos anos dizendo: “Oi, tu foi minha professora quando eu estava na 3ª série”. Chamar de velha seria mais simples.

# A Judi Dench dá medo. Seja como uma velha sapa, seja como Rainha. Acho que se ela fizer o papel de… sei lá… boazinha, ela ainda assim vai dar medo.

# No final das contas, ela fode tudo por ciúme. Também, botam a Cate Blanchett no filme, todo mundo quer ela. Até a véia.

# Judi Dench tem um gato no filme. Regra. Nem todo mundo que tem gato é vilão. Mas todo vilão tem um gato. É tipo aquela regra da Madonna. Nem todo mundo que gosta da Madonna é.. enfim… Mas todo mundo que… enfim… gosta da Madonna. E de Smiths.

notes

Notas de um Escândalo (2006) ****

Pagando Bem, que Mal Tem?

Posted in Uncategorized on março 24, 2009 by Carlos Corrêa

miri

Let us fuck!

# Cruzada pelos títulos originais. Não dá, né? “Zack and Miri Make a Porno” é um título muito bom!!!!! E “Pagando Bem Que Mal Tem?” é um título muito ruim!!!!! Se achavam que colocar “pornô” no título baixaria a bilheteria aqui, que ao menos escolhessem um título melhor. Esse não dá.

# Ou a culpa é minha de estar vendo muitos filmes dirigidos/produzidos pelo Jude Apatow ou então é do Seth Rogen por dar uma de Mark Ruffalo e estar em todos os filmes ao mesmo tempo. O fato é que eu jurava que esse aqui também tinha a assinatura do Sr. Apatow. E não. É escrito e dirigido pelo Kevin Smith e produzido pelos irmãos Weinstein.

# Falando em Kevin Smith, houve um tempo em que ele tinha tudo para ser o diretor mais legal de uma nova geração que vinha surgindo. Eram dele O Balconista e Barrados no Shopping, mas mais do que isso, era dele o fantástico Procurando Amy. Só que aí depois veio aquela xaropada do Dogma e o cara se perdeu no meio do caminho com outras nabas. Como esse Zack and Miri é bom, esperamos que ele tenha voltado à forma definitivamente.

# Não se engane pelo pornô do título, nem pelas (boas) piadas de baixo calão. Esse filme é, no final das contas, uma comédia romântica.

# O cara meio que só faz o mesmo papel, tipo o Hugh Grant, o Bruce Willis e o Samuel L. Jackson. Mas eu tô virando fã desse Seth Rogen pelo simples fato de que, como o Jack Black, apesar de se repetir, o cara é sempre engraçado. E mais do que isso, o jeito preguiçoso e “deixa pra depois” dá quase pra se identificar. E nem vem fazer carinha aí, porque não, tu não parece o Brad Pitt.

# Muito boa a piadinha sobre Lost feita no filme, assim como são geniais as sugestões de títulos para o pornô. Star Whores? Fuckback Mountain? Cocunt? The Empire Strikes Ass? Return of the Brown Eye? The Phantom Man Ass? E… Revenge of the Shit: The All Anal Final Chapter. Um melhor que o outro.

# Aliás, acho que em grande parte gostei do filme pelas citações pop que aparecem o tempo todo.

# Kevin Smith, no fundo, é um egoísta. Na hora dos filmes pornôs propriamente, a atriz vagaba aquela aparece pelada. Aí quando é para a para a gracinha da Elizabeth Banks se pelar.. necas…

# O leme holandês?

zack

Pagando Bem, Que Mal Tem? ( 2008 ) ***

Ligeiramente Grávidos

Posted in Uncategorized on março 23, 2009 by Carlos Corrêa

up

I live in your phone!

# Judd Apatow é o cara. Não é um gênio, mas todos os filmes dele entregam o que prometem. Duas horas depois de cada um, tu sempre sai satisfeito de ter dado boas risadas. É assim com o divertido O Virgem de 40 Anos, é assim com o genial Superbad e também é assim com esse Ligeiramente Grávidos. Não é um humor inteligente ou cheio de ironia. É um humor tosco, talvez até machista, mas mais verossímil. É muito mais fácil alguma vez na vida tu ter pensado em dizer alguma das bobagens que eles falam do que uma frase genial dos filmes do Woody Allen.

# O estilo de piadas é o mesmo. Os personagens são sempre parecidos. A turma é quase sempre a mesma (Seth Rogen, Paul Rudd, Jonah Hill, Leslie Mann, Martin Starr…) e mesmo assim funciona. Até porque ninguém que vai ver um filme assim lá com grandes exigências.

# É uma comédia. Pra uns, pode ser considerado machista. Mas no fundo, no fundo Ligeiramente Grávidos é um filme querido.

# Só em filme para um cara como o Seth Rogen pegar uma mega-gostosa como a Katherine Heigl. Eu até veria mais seguido ela em seriados, mas ela faz aquele de hospital Grey´s Anatomy, aí não rola. Lembra? Seriados de hospital, policiais, advogados e mulheres-felizes-mal-resolvidas não!

# Existe de verdade o site Mr. Skin, que presta um belo serviço – mas ó, é pago! O endereço é http://www.mrskin.com

# Cruzada a favor dos títulos originais: Ok, Ligeiramente Grávidos até faz algum sentido com a história, mas…

ligeiramente

Ligeiramente Grávidos (2007) ***

30 Dias de Noite

Posted in Uncategorized on março 20, 2009 by Carlos Corrêa

days

They? Who are they?

# 30 Dias de Noite tem clima, começa tenso, a premissa de 30 dias de escuro é ótima e tal mas… não rola. Não sei se é a história, se são os vampiros, se são os atores… sei que não rola. Pena, porque o trailer era bem promissor.

# Não li a HQ. Mas imagino que seja um pouquinho melhor.

# Na boa, o que são os vampiros do filme? São quase uma ofensa ao Drácula, esse sim um vilão de verdade. Aqueles gritinhos e pior que tudo, que língua é aquela que eles falam? Agora existe um país de vampiros? Que viagem…

# Um 30 Dias de Noite e um Pearl Harbour depois, dá pra afirmar com uma boa chances de acerto: Josh Hartnett não dá. Tão expressivo quanto uma porta.

30

30 Dias de Noite (2007) **

Adão e Eva

Posted in Uncategorized on março 20, 2009 by Carlos Corrêa

eve

No. Wait.

# Certo, você só vai ver esse Adão e Eva se não estiver mais nada passando na TV ou se é o único filme começando exatamente na hora em que tu para e pensa: “Quero ver um filme agora”. O bom é que o filme é tão engraçado quanto idiota. Mas vai o aviso antes: mulheres, mantenham distância, a menos que vocês aceitem passar uma hora e meia vendo piadas machistas. Se não tiver problema, bom, então relaxa e curte porque eles pegam bem pesadinho…

# Na real, fica a impressão que esse filme tinha potencial para ser ainda melhor. Parece que saiu uma coisa bruta. Talvez um diretor melhor, um roteiro mais lapidado e teríamos algo ainda melhor. No bruto, ele está no mesmo nível dos filmes do Judd Apatow e dos American Pie. Que, não sintam vergonha, são bons sim.

# Que outra produção não-machista teria a coragem de finalmente levar ao cinema teses importantíssimas com discussões acaloradas sobre… aparar ou não pêlos pubianos e a melhor posição para se limpar depois do número 2? Eu disse ali em cima que eles não tinham limite…

# Chega uma hora em que a guria comenta que eles estão juntos há 10 meses e ela ainda está em dúvida se devem ou não ir pra cama. Impossível. I-M-P-O-S-S-Í-V-E-L. Dez meses ninguém aguenta namorar só com beijinho. Ninguém.

adam

Adão e Eva (2005) ****

Survivors – 1ª temporada

Posted in Uncategorized on março 15, 2009 by Carlos Corrêa

survivors2

The world is a bad place, Abby. Always was.

# O tema é dos mais interessantes. Não é novo, é verdade, mas não lembro de ter visto algum outro filme ou seriado com uma abordagem tão realista. Geralmente, filmes que começam com quase toda a população do mundo morrendo, terminam com zumbis. Survivors não têm zumbis. É muito mais interessante com isso. Zumbis tu dá um tiro na cabeça e resolve o problema. Começar a sociedade do zero é muito mais complicado. Talvez pelo fato de o episódio piloto tratar tudo como se fosse verdade tão bem é que nos faça parar e pensar o que faríamos em uma situação daquelas. Por isso, por aquela tensão absurda, o primeiro episódio é tão bom.

# O primeiro episódio é muito bom e o último é bem interessante, mas a maioria dos outros quatro são irregulares. A coisa fica no meio termo. Parece muito mais uma daquelas séries que vão durar anos e anos com cada episódio se encerrando em si, quando na real fica claro depois que é uma ideia fechada.

# Salvo se tu fica acompanhando trocentos seriados e filmes que ninguém viu ainda, o elenco é todo de desconhecidos. E olha, um elenco bem honesto. Se for para destacar alguém, acho que diria o ex-presidiário com cara de volante do futebol inglês Max Beesley (que aliás também é músico), o muslim folgado do Phillip Rhys e o negão armário Greg Preston. Ah, o vilão de Anthony Flanagan também é foda, tu sente muita raiva do cara. Sempre que ele aparece. Sempre.

# Se é para personalizar, o vilão pode ser o Flanagan esse ou mesmo o cara do laboratório. Mas ninguém faz mais merda nessa primeira temporada do que o governo – seja o anterior, seja o rascunho de recomeço. No início, não consegue fazer nada para conter uma doença que quase termina com o mundo. Depois, a ex-ministra Nikki Amuka-Bird faz uma pior que a outra. Ok, com boas intenções, mas faz só merda tentando impor um autoritarismo sem a mínima noção. Parece ficar clara a mensagem de que não adianta, os governos nunca conseguem compreender o contexto na hora certa, sempre é lerdo.

survivors

Survivors – #1 ( 2008 ) ***