Arquivo de janeiro, 2010

Avatar

Posted in Uncategorized on janeiro 18, 2010 by Carlos Corrêa

I see you

# O primeiro filme que eu fui ver 3D era aquele Monstros vs. Alienígenas. Que é uma porcaria, diga-se de passagem. Mas que valia por saber tirar proveito do 3D. Logo na primeira cena, tomei um susto porque parecia que a bolinha de pingue-pongue do boneco tava saindo da tela. Mais adiante, uns talheres ficam flutuando e tu tem a impressão de que se esticar o braço pega eles. Corta para Avatar. A primeira cena, com os soldados saindo dos casulos/camas/seja lá o que for, realmente impressiona pela noção de profundidade. Só que… sei lá, vai ver era a minha expectativa, já que fui tonto o suficiente para acreditar que era o filme que iria revolucionar o cinema. E vamos combinar, não revoluciona chongas nenhuma.

# Sabe o que é? Por mais que o visual impressione, o problema é não se envolver com a história. O filme é bacaninha e tal, mas não dá pra levar muito a sério uma trama com bonecos azuis recheada de clichês.

# Ah, o papel do milico-mor é bom. É um dos poucos que tu sente alguma coisa a respeito. No caso, raiva.

# Pode não parecer, mas eu curti o filme. Só não adorei nem coisa do gênero.

Avatar (2009) ***

Deixe Ela Entrar

Posted in Uncategorized on janeiro 4, 2010 by Carlos Corrêa

– Er du verkligen tolv?
– Ja. Den er rättvis Jag har blitt tolv för en mycket lang tid time.

# Sério, o que aconteceu com os vampiros malvados que sumiram? Até o Tom Cruise, bem ou mal, era um vampiro malvado no Entrevista com o Vampiro. Daí veio a Buffy, depois o Crepúsculo e pronto, só falta agora Vamp passar de novo no Vale a Pena Ver de Novo. Deixa Ela Entrar é obviamente mais interessante que toda essa safra nova, mas que tá difícil do Bram Stoker ter um sono eterno calmo, ah está…

# Assim, não consegui ver a genialidade que uma galera viu no filme, mas sem dúvida Deixe Ela Entrar é muito bom, principalmente pela química do guri com a vampirinha e pelo ritmo da história, que não tem nenhuma pressa em contar tudo de uma vez só.

# Que cabelinho. Que roupinha. Era difícil a vida em Estocolmo nos anos 80 pelo visto.

# Eu tava achando o filme bacaninha, mas nada além disso. Até a cena da piscina. Essa sim a melhor do filme, tensa na medida certa, chocante na medida certa. Ali o filme para mim ganhou a quarta estrelinha.

# A cena foi rápida, o que me dá um desconto. Mas eu vi mal ou… ou… a… a… dela era na horizontal?

Deixe Ela Entrar ( 2008 ) ****